domingo, 17 de Janeiro de 2010

Projecto cultural do regime

No contexto de um regime do tipo totalitario, a cultura portuguesa, como os demais sectores da vida nacional, encontrava-se subordinada ao Estado e servia de instrumento à propaganda política.
O modelo cultural encontrado para servir os interesses do Estado Novo recebeu o nome de "política do espirito" e foi delineado por António Ferro, que ocupava o cargo de director do Secretariado da Propaganda Nacional, desde 1933 até 1949.
A "política do espírito" pretendia ser o espelho de toda política de Salazar, confundindo-se com a propaganda ao regime. Como tal, as principais manifestações artística do Estado Novo evidenciaram-se nas obras arquitectónicas das exposições internacionais (com destaque para a Exposição do Mundo Português, em Lisboa, no ano de 1940) e em obras de elogio ao ideário nacionalista.

Política Colonial

O acto colonial, de 1930, defenia a posição política do regime em relação às colónias portuguesas, justificando a posse dos "dominios ultramarinos" através de uma " função histórica", já que seria missão dos portugueses "civilizar as populações indígenas".
O Estado Novo, ao longoo das quatro decadas em que vigorou, procurou reforçar, pela propaganda política, a ideia de que o imperio colonial era um patrimonio historico de que era legitimo tirar proveito, sendo que as populações indígenas beneficiariam com a presença dos portugues, mais evoluidos. O orgulho na posse de colonias era reforçado pela realização de exposições coloniais, como a Exposição do Mundo Português, de 1940, e compensava, espiritualmente, os portugueses da realidade dos sacrificios economicos vividos no quotidiano.

sábado, 9 de Janeiro de 2010

O Estado Novo

António de Oliveira Salazar tornou-se Presidente do Conselho em 1932, tendo no ano seguinte apresentado uma nova Constituição, que pôs fim à Ditadura Militar Portuguesa, e instaurando o regime a que a propaganda oficial chamou Estado Novo. Apesar de possuir algumas características semelhantes ao fascismo italiano de Benito Mussolini, o Estado Novo nunca se assumiu como sendo fascista.


Caracteristicas do Estado Novo:

-Foi criado um partido político oficial, a União Nacional, que transmitia o "espírito da Nação", enquanto que a oposição era duramente reprimida.

- Toda a vida económica e social do país foi organizada em corporações. O corporativismo estabelecia um maior controlo do Estado sobre as actividades económicas e dificultava a existência dos Sindicatos.

- A Igreja e o regime caminhavam lado a lado. Com uma ideologia marcadamente conservadora, o Estado Novo orientava-se segundo os princípios consagrados pela tradição: Deus, Pátria, Família, Autoridade, Hierarquia, Moralidade, Paz Social e Austeridade.

- A censura aos media procurou sempre não deixar avançar qualquer tipo de rebelião contra o regime, velando sempre pela moral e os bons costumes que Salazar defendia.


-A polícia política portuguesa, que teve várias designações PVDE (Policia de Vigilancia e Desfesa do Estado), PIDE (Policia Internacional de Defesa do Estado), DGS (Direcção-Geral de Segurança), que perseguia todo e qualquer opositor do regime.

- Uma política colonialista, que afirmava que Portugal como "um Estado pluricontinental e multirracial". Todavia, a partir de 1961, já com muitas pressões internacionais para o país conceder a independência às suas colónias.

- Criação de milícias, uma para defesa do regime e combate ao comunismo, a Legião Portuguesa e outra destinada a inculcar nos jovens os valores do regime, a Mocidade Portuguesa.


quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

A emancipação feminina


A Emancipação Feminina
A escassez de homens na população activa em consequência do envio de militares para a guerra faz com que as mulheres comecem a ter lugar nas industrias.
Como começaram a trabalhar, as mulheres exigem direito de voto, conquistando-o nos inícios dos anos 20 em países como Alemanha, Inglaterra e Estados Unidos.
As mulheres tornaram-se independentes dos seus maridos devido à remuneração monetária do seu trabalho.
existiu uma necessidade de a mulher se adaptar ao seu novo local de trabalho, nesta altura as mulheres abandonam o espartilho, sobem a saia, cortam o cabelo curto e passam a frequentar cafés, clubes de dança, teatros e esplanadas anteriormente  frequentados por Homens, e imitam certos comportamentos destes, como por exemplo fumar.

quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

A implantação da marxismo-leninismo na Russia: A construção do modelo Soviético

Antecedentes:

  • Fracasso na revolução de 1905 --» Contestação a autocracia Czarista
  • 85% da população ( camponeses) reclamavam por terras
  • Operariado exigia maiores salários, melhores condições de vida e de trabalho
A participação da Rússia na 1ª Guerra Mundial

  • Uma desorganizada economia
  • Existia fome por toda a Rússia
  • Derrotas contra a Alemanha aumentavam o Czarismo
  • Soldados na frente de batalha automutilavam-se para não combater


Marxismo-leninismo

Revolução de Fevereiro de 1917 (dia 22 e 28)

  • Grandes manifestações de mulheres
  • Greves dos operários
  • Fim do Czarismo
  • A Rússia tornou-se uma república, dirigida por um governo provisório

Efeitos Imediatos:

Dirigido o governo provisório por Lvov e Kerensky, tinha como objectivo aderir ao capitalismo (onde todos têm a mesma oportunidadede enriquecer, mas quem é pobre continua pobre). Modernizar a economia, e continuar a guerra com a Alemanha (que se julgavam capazes de vencer).

Nada decidiram sobre a distribuição das terras, como se disse à saída da Guerra.
Os beneficiados eram a burguesia e a nobreza liberal, o povo não melhorava nem piorava.

A Nova Geografia Política do Pós 1ªGuerra Mundial (continuação)

Recuperação económica da Europa:

Devido à guerra a Europa:
  • Tornou-se dependente dos E.U.A.
  • Acumulou dividas altissimas para com os E.U.A.
  • Teve elevadas perdas demográficas
  • Os campos ficaram improdutivos
  • As finanças desorganizadas

Situação dos países vencidos obrigados a paga indemnizações:

  • Austria abre falência,
  • Alemanha, vê o marco a desvalorizar inacreditávelmente.

terça-feira, 6 de Outubro de 2009

A Nova Geografia Política do Pós 1ªGuerra Mundial

Imposição de fortes penalizações aos paises vencidos (sobertudo, Império Alemão; Império Austro-húngaro e Império Otomano):


Ex: Tratado de Versalhes(1919)
  • A Alemanha foi obrigada a pagar pesadas reparações de guerra às potências vencedoras
  • Cedeu cerca de um décimo do seu território a paises vizinhos (ex. Alsácia-Lorena à França)
  • Teve de abdicar da totalidade das suas colónias
  • Foi obrigada a desmilitarizar-se, reduzindo significativamente o seu efectivo militar.
Conclusão: Os paises vencidos foram sujeitos a condições insuportáveis porque os levaram à ruína e os feriram no seu orgulho nacional (prenúncio de conflitos posteriores)



Alteração do mapa político da Europa por desmembramentos dos Impérios centrais a favor da independêcia de países novos:


Os Impérios Alemão, Austro-Húngaro, Otomano e mesmo o Império Russo foram desmembrados dando origem a vários Estados independentes- Ex. Estados Bálticos, Polónia, Austria,Checoslováquia, Hungria, Jugoslávia, Turquia, etc., provocando uma alteração profunda do mapa político da Europa.


Difusão das democracias por recuo dos egimes monárquicos autoritários derrotados na guerra:

Com o fim dos Grandes Impérios assiste-se ao desaparecimento dos ultimos vestigios da monárquia absoluta ou autoritária na Europa. A tendência afirma-se no sentido de imposição dos regimes democráticos nos países vencidos e nos países novos que obtêm independência muito pela influência dos Países Aliados.

Criação da Sociedade das Nações (SDN)

No rescaldo da guerra, e na sequência da prposta do Presidente Americano,Woodrow Wilson, é criada a SDN-organização internacional, com sede em Genebra,  na Suiça, que pretendia:
  • Manter a paz a nivel internacional;
  • Promover relações cordiais entre os varios países;
  • Submeter à analise da SDN as questões passíveis de gerar conflitos;
  • Zelar pelo cumprimento dos acordos e tratados internacionais;
  • Boicotar economicamente o pais que desencadeasse uma guerra.
No entanto existiam vários obstáculos a uma paz segura:
  • Os países derrotados foram excluidos, quer do tratado de paz, quer da SDN;
  • Alguns povos vencedores estavam insatisfeitos com as resoluções dos tratados de paz;
  • As minorias nacionais nao se sentiam respeitadas na definição do novo mapa político da Europa;
  • Os EUA, apesar de constituirem uma potência que afirmava o seu poder economico e o protagnismo político, não integraram a SDN e não aprovaram o Tratado de Versalhes, contribuindo paa o descrédito da organização;
  • Os países vencedores, em vez de procurarem soluções viáveis para a crise económica europeia, privilegiaram a questão das reparações de guerra, obrigando os países derrotados a pagar indemnizações aos países vencedores como meio de agradar à opinião públicasedenta de vingança.
Rapidamente, a SDN se mostrou incapaz de desempenhar o papel de mediadora de conflitos o que comprometeu os fundamentos da sua existência.